O que encontrará aqui:

Conteúdo autoral, insanamente criativo, ebooks para ler e sonhar, resenhas, opiniões e idéias, sobre livros, escritores, cotidiano! Tudo junto em um espaço insanamente democrático!

9 de mai de 2013

A Cômica vida de Dora (Lice?) em: O Celular amigo do peito!!!!!!!!!!




 Clique na imagem para baixar o arquivo em PDF


O celular amigo do peito!


                  Quem nunca perdeu, ou melhor, achou que perdeu alguma coisa e no fim estava bem na cara, que levante a mão e saia correndo!
                  Eu perco tudo, só não perco a cabeça, pois ela ainda está grudada, se não tenho certeza que em vários dias eu estaria correndo pelo meu apartamento procurando por ela também, o que agora pensando bem seria um pouco estranho.
                  Não sei como, mas por mais que eu guarde as coisas simplesmente não as acho no momento em que preciso.
                  Já passei cada uma procurando pelo meu celular que vocês nem imaginam, mas acredito que a pior de todas foi hoje à tarde!
                  Coitado do seu Afonso, dono da Confeitaria!!
               Essa tarde estava morrendo de vontade de comer um doce, detesto quando fico assim, porque quando é um doce específico eu vou lá compro e pronto, mas quando é só doce... Acabo querendo um pouco de cada, e lá na Loja Tentações, bom posso dizer que faz jus ao nome.
                  Entrei pensando em não me demorar muito, se não a minha intenção de pegar um só doce iria pelo ralo, mas meu celular tocou e era uma das noivas das quais eu estava ajudando a organizar o casamento. Nem preciso dizer que ela estava com umas mil ideias e não teve jeito, tive que ir me sentar em uma das mesinhas que eles já colocaram estrategicamente para pessoas como eu ficar, sentir o cheirinho delicioso e querer comer a loja toda.
                  Já que não tinha mais jeito, pedi uma bomba de chocolate e um pavê de suspiro com morango, porque pelo jeito a conversa ia ser longa.
                  Bom depois que terminei de conversar e de comer essas delícias, sai correndo, pois ainda tinha que ir visitar um salão do outro lado da cidade.
                  Quando cheguei perto do carro lembrei que tinha que ligar para o meu assistente, fui procurar o celular e cadê??


                  Abri o carro e comecei a esvaziar a bolsa, tirei tudo, mas tudo mesmo e nada!

                  Pensei meu Deus e agora?! Minha vida toda está naquele aparelho. Como vou saber dos meus compromissos? Eu não sabia direito nem com ele por perto, agora então a situação piorou!
                  Até que me toquei que estava com ele dentro da loja, então só podia estar lá!
Coloquei tudo dentro da bolsa e voltei, fui até a mesa em que sentei e nada, dai perguntei ao seu Afonso se ele tinha visto algum celular, ou se algum funcionário dele tinha falado alguma coisa de um celular perdido.
                  Seu Afonso disse que não, mas parou a loja pedindo para os meninos ajudarem a procurar.
                  Esses meninos que trabalham para ele são uns fofos, pararam tudo e foram olhando pela loja, depois de uma meia hora vasculhando por todo lado, seu Afonso falou:
                  - Dora já sei! Está aqui meu telefone, liga para o seu e se ele tocar por aqui o encontramos.
                  Nossa porque eu não tinha pensado nisso antes?! Teria me economizado um belo tempo, um tempo que eu nem poderia ter perdido.
                  Peguei o aparelho e disquei meu número, de repente meu sutiã começou a vibrar e tocar!
                  Dei uma pequena olhada e dentro do meu sutiã estava o meu celular, minha cara caiu totalmente.


            Desliguei correndo o telefone, mas o pessoal já tinha reparado que havia tocado, e que estava ali perto, então começaram a olhar em volta.
                  Eu não sabia se ria ou se chorava, como ia contar para aquelas pessoas, tão solícitas ao me ajudaram, que o celular na verdade não estava perdido e pior ainda estava dentro do meu sutiã?!


                  Em uma das viagens que fiz, uma colega me ensinou a colocar o celular dentro do sutiã quando íamos a lugares meio... como posso dizer?! Lugares meio perigosos. Então usávamos uma blusa mais larguinha, ou colocávamos um casaco e íamos conhecer os lugares. Ela falava que se fossemos assaltadas ninguém ia verificar o nosso sutiã, bom nisso ela tinha razão, levaram nossas máquinas fotográficas, mas não nossos celulares.
                  Depois disso peguei essa mania, que minha mãe quase me desconjura quando vê!
                  Seu Afonso estava falando:
                  - Dora liga de novo que eu escutei uma musiquinha aqui perto.
                  Claro que escutou, está aqui no meu sutiã! Eu estava pensando em como sair dessa situação, quando o meu telefone começou a tocar novamente e detalhe, desta vez não era eu quem estava ligando!
                  Ele ficou mais de meia hora sem tocar e tinha que tocar logo agora? A ninguém merece!
                  Se ele tivesse tocado meia hora antes, teria me poupado toda essa situação constrangedora.
                  Não teve jeito, um dos meninos que estava ajudando na busca falou:
                  - A musica está vindo dela.
                  Eu só não desmaiei porque não ia adiantar e o celular ia continuar tocando! Tive que pegar ele do sutiã e atender. Minha cara estava mais vermelha que um tomate, porque estava sentindo meu rosto queimar, não na verdade acho que já era ferver.
                  E para completar era a Jacinta minha chefa, que estava no salão com a mulher me esperando! E já contei para vocês como ela é chata né?!
                  Queria um buraco como os de desenho animado para pular dentro e sumir. E aparecer de preferência em um lugar bem distante tanto da loja quanto da “Jacinta”.
                  Enquanto eu falava no celular, o pessoal já estava rindo e se perguntando o que mais eu guardava dentro do sutiã. Seu Afonso ficou quase roxo de tanto que ria. Pelo menos fiz o dia deles mais alegre!
                  Como não tinha mais o que fazer, agradeci, pedi desculpa pelo incômodo que causei e sai o mais rápido que consegui.


                  Pensando bem, acho que não foi totalmente perdida essa vergonha que passei, pois acredito que nunca mais consigo entrar lá, pelo menos vou ficar longe daquelas gostosuras!
                  Agora vou ter que achar outro lugar, claro que não vai ter as bombas iguais ao do seu Afonso, ou os pavês, ou as tortinhas de morango... Ah! mais vai ser o jeito. Eu posso pedir para o Léo ir comprar, mas pensando bem é melhor não, porque é capaz dele se juntar com o pessoal de lá para zoar com a minha cara.
                  Bom e vocês o que já fizeram atrás de alguma coisa não tão perdida?

Beijos Dora!

2 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Essa Dora é muito louca! E você, Rafa, uma escritora de mão cheia!

    ResponderExcluir