O que encontrará aqui:

Conteúdo autoral, insanamente criativo, ebooks para ler e sonhar, resenhas, opiniões e idéias, sobre livros, escritores, cotidiano! Tudo junto em um espaço insanamente democrático!

23 de mai de 2013

A Cômica vida de Dora (Lice?) em: O banheiro acústico!


           Olá pessoal,


          Quem já ficou super apertada para usar o banheiro vai entender muito bem a situação pela qual eu passei.

          Bom, lá fui eu para mais um dia de trabalho, não sabendo como ia conseguir cumprir com todos os compromissos assumidos para aquele dia.

         Só na parte da manhã eu tinha que ir visitar junto com a Carla (que é uma das responsáveis pela empresa que queria fazer uma premiação para os funcionários) seis espaços de eventos, e cada um ficava de um lado da cidade.

          A Carla é uma pessoa muito bacana, mas ela não tem paciência nenhuma, já tínhamos ido a quatro lugares e ela nem queria conhecer o lugar todo e já me falava que tinha detestado.

          No quinto local ela falou que até tinha gostado, mas que a cor do tapete do salão principal era muito feia, que ela gostaria que fosse de outra cor. Eu já estava morrendo de vontade de fazer xixi, mas como a Carla queria ir embora logo, eu pensei “A quando chegarmos no ultimo lugar eu uso o banheiro”

          Quando chegamos ao sexto e ultimo espaço a Carla olhou e disse que nem queria descer, que não tinha gostado da entrada. Nessa hora eu quase chorei pensei que minha bexiga ia explodir.

          Como não tinha muito que eu fazer, pois estava de carona com ela, acabei pedindo para ela me deixar ali perto do edifício da minha contadora, a final ia ter que passar lá mais tarde, já que eu estava ali perto e morrendo de vontade de usar o banheiro, nada melhor que adiantar.

          Me despedi trançando as pernas e subi os 13 andares no elevador. Elevador já demora, imagina quando você está quase fazendo xixi nas calças?! Parecia que o pessoal já sabia e começaram a apertar o botão em todos os andares o obrigando a parar.






          Quando por fim consegui chegar ao meu destino, fui à mesa da secretária e perguntei se poderia ir ao banheiro.

          A fajuta olhou bem para a minha cara e disse:

          - A vou ver se pode!

          Como assim ela ia ver se pode? Nunca vi a pessoa negar alguém de ir ao banheiro, na situação em que eu me encontrava eu ia fazer xixi lá mesmo no meio da recepção.

          Por sorte, a minha contadora Miriam apareceu e eu pedi para usar o banheiro rapidinho, e ela como é uma fofa, é claro que deixou, ainda falou que eu podia deixar minha bolsa e minha pasta lá na recepção que a Carina “vulgo secretária insuportável” olhava até eu voltar.

          Para ir ao banheiro lá, você anda pelo corredorzinho que fica do lado da mesa da secretária, abre a portinha e já cai no banheiro onde ficam as pias e os espelhos. E de frente ficam duas portas onde ficam as privadas.

          Já fui correndo e fechei a porta, mesmo estando hiper mega apertada me lembrei que é sempre bom olhar se tem papel, dei uma olhadinha e não tinha. Pensei “Nossa muita sorte eu ter olhado antes”, fechei o botão da calça e quando fui abrir a porta não consegui.

          Mexi a tranca de novo e nada, quando levantei o olhar, tinha uma plaquinha na porta “PORTA COM DEFEITO, NÃO FECHE”.

          Eu acabei caindo na risada, quem coloca uma plaquinha de porta com defeito, dentro da porta?!

          Pensei nas minhas possibilidades:

          1- Eu posso ficar aqui tentando abrir a porta e fazer xixi nas calças ou;

          2- Eu posso fazer xixi e depois vejo como consigo abrir a porta.

          Decidi pelo dois é claro, nem sei como minha bexiga agüentou todo esse tempo.

          Depois de resolvida minha necessidade fisiológica, fiquei pensando o que eu poderia usar para abrir a porta, já que deixei meu celular dentro da bolsa lá na recepção, ligar para alguém me salvar estava fora de cogitação. A maioria dos banheiros possuem aquelas portas mais levinhas e com uma abertura em baixo e outra em cima, mas essa não, ela não tinha abertura nenhuma e era de madeira mais grossa.

          Fiquei pensando no que eu poderia usar para me ajudar a abri-la, mas dentro do recinto não tinha nadinha.

          Por um milésimo de segundo pensei em pular a janelinha que tinha, mas logo me lembrei que eu estava no décimo terceiro andar e já imaginei a manchete no jornal “Moça fica presa no banheiro e salta para a morte”

          Não, eu definitivamente não queria morrer, então a solução era tentar abrir a porta de qualquer maneira.

          Primeiro tentei puxar, acho que fiquei uns 15 minutos tentando e nada. Eu já estava desesperada.                 No começo até achei engraçada a situação, mas depois de 15 minutos a graça tinha se evaporado.

          Pior que eu ainda tinha que voltar para a empresa e pelo tempo que eu estava tentando sair eu tinha certeza que já estava atrasada.

          Até que pensei “ Acho que vou bater na porta e alguém vai me ouvir e vir me resgatar.”







          No começo eu bati meio delicada, constrangida mesmo, mas depois de uns 10 minutos eu já estava batendo com as duas mãos, gritando e chutando a porta e nada, nem a porta se abriu e nem uma alma viva veio ver o que estava acontecendo.

          Aquele banheiro só podia ter isolamento acústico, não é possível!!

          Só sei que eu estava já de saco cheio, com a minha garganta doendo de gritar e com os ossinhos da minha mão todos doendo de tanto bater na porta, e decidir que eu tinha que sair.

          Juro que não sei como consegui, mas fiquei puxando e puxando e a porta finalmente se abriu. Acho que bati tanto nela que ela resolveu cooperar.

          Quando finalmente consegui me libertar, fiquei pensando qual seria a minha cara ao sair, acho que fiquei uns 30 minutos no banheiro e eu teria que sair de novo na recepção, tinha certeza que o pessoal devia estar achando que eu estava com diarréia para ficar todo aquele tempo no banheiro.

          Sai e lá sentada na mesa estava a Carina, que quando me viu ficou me olhando de maneira estranha. Agora pensando bem acho que ela sabia o que se passava e não quis ir me ajudar isso sim, porque gritei tanto que acredito que até o andar de baixo ouviu.

          Peguei minhas coisas e dei uma passadinha pela sala da Miriam para agradecer de novo os documentos e aproveitei e falei que era muita sacanagem a pessoa colocar uma plaquinha de banheiro quebrado dentro da porta.

          A Miriam caiu na risada e não acreditou que eu fiquei presa no banheiro todo aquele tempo!

          Pois é, nem eu acreditei! Agora toda vez que for a algum banheiro vou olhar primeiro atrás da porta antes de fechar.

          Bom e vocês já pagaram algum mico assim??


          Beijos Dora!

7 comentários:

  1. nossa kkkkkkkk eu ja fiz na roupa kkkkkkkkkk,a sorte que estava no portão da minha casa ,sério ,muito ruim está situação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk ainda bem em?! Assim é só fazer cara de coqueiro e entrar correndo kkkkkk

      Excluir
  2. ahahah eu fiquei presa uma vez quando estava indo para Curitiba , o ônibus lá me esperando , meus filhos dentro dele ( porque a viagem era a noite ) quase morri de medo dele ir embora e me deixar pra traz, não tranco mais porta de banheiro em beira de estrada quando estou viajando , mas nem que abram e me veja lá naquela posição , que ninguém merece...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa que situação em?! Imagino o seu desespero! Mas ainda bem que deu tudo certo Gi. Agora nada de trancar os banheiros para vc e nem para a Dora kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  3. kkkkkkkkkkkkkkkk Essa Dora é azarada mesmo!!!!!!! Mais uma nota 10 Rafa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito azarada mesmo Jo! kkkkkk Obrigada pelo nota 10 :-) Bjss bjss

      Excluir